Crivella editou frases de reportagem para por crianças contra repórter

A má intenção da prefeitura fica explícita ao se assistir com atenção a reportagem em que Crivella usou para atacar a TV Globo, mais uma vez.

Em mais um episódio da guerra que declarou contra a Globo, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), aproveitou uma reportagem mal-feita do telejornal “RJ1” para acusar a emissora de “farsa”. Em resposta, a Globo disse que o prefeito deturpou intencionalmente um vídeo para atacar a emissora.

Neste caso, analisado pelo UOL e confirmado pelo Noticiário do Rio; a Globo tem razão. A má intenção da prefeitura fica explícita ao se assistir com atenção a reportagem que gerou a acusação, exibida no último dia 6. Trata-se de um episódio do quadro “RJ Móvel”, no qual a repórter Susana Naspolini apresenta problemas urbanos. Em uma escola municipal no bairro de Parada de Lucas, a repórter está na companhia de alguns moradores e diz:

“Já que o assunto é escola, vamos pensar todo mundo junto aqui. Por exemplo. Aqui (abre um caderno). O aluno faz essa redação e entrega pra professora. Estão vendo aqui? ‘Caza’ com zê, ‘felis’ com esse, ‘excola’ com xis. Ele entregou. Está aqui. Que nota ele ganha, professora?”

Um homem, não identificado, responde: “Três, três e meio. Corre o risco de repetir de ano”. E acrescenta: “Teve a intenção de fazer, mas não fez bem feito”. Susana, então, dirigindo-se à apresentadora Mariana Gross, diz: “Quando nós chegamos aqui hoje, Mariana, foi o que eles falaram do serviço da prefeitura. O que vocês falaram?”. E o mesmo entrevistado diz: “Não foi bem feito”.

Susana, então, discorre sobre os problemas na reforma da escola: “Primeiro, falaram que iam fazer a calçada. Olha o estado da calçada. Passaram longe”. Ela mostra outro trecho da calçada, refeito. E o mesmo entrevistado reclama: “Tá crescendo capim e tá escorregando. Isso aqui não é o material apropriado.” A reportagem pode ser vista aqui.

É verdade que quem assiste ao início da reportagem sem prestar a devida atenção pode até se confundir e achar que ela está misturando deficiências de ensino e problemas de infra-estrutura. A encenação da repórter (“exemplo hipotético”, nas palavras da Globo) para expor a má qualidade da reforma da escola não foi bem-feita. Mas basta rever a matéria com calma para entender claramente do que se trata.

Por isso, é possível afirmar que houve intenção da Prefeitura em distorcer o sentido do trabalho. No vídeo que Crivella divulgou, intitulado “A Farsa da Globo” (veja aqui), argumenta-se que o objetivo da reportagem foi humilhar os alunos: “A reportagem tentou denegrir o ensino público, mas acabou ridicularizando quem mal sabe se defender”.

Filmado na própria escola, com música melodramática e depoimentos de mães de alunos, o vídeo inclui a imagem de uma turma com crianças gritando: “Globo, esse caderno não é nosso!”

Na edição desta quinta-feira (11) do “RJ 1”, Mariana Gross leu: “A Prefeitura do Rio divulgou um vídeo deturpando o que a Susana disse. A gente lamenta a atitude do prefeito Marcelo Crivella, que editou frases da matéria com a clara e condenável intenção de jogar as crianças contra a repórter.” Um esclarecimento que tivesse sido feito no dia seguinte à exibição da reportagem poderia ter evitado o problema.

O ataque do prefeito contra a Globo ocorre menos de uma semana depois de Crivella tentar censurar uma HQ na Bienal do Livro do Rio por exibir um desenho de dois personagens se beijando. O seu gesto, pensado, mirou o eleitor conservador.

A divulgação deste vídeo sobre a reportagem do “RJ Móvel” é mais um ataque de Marcelo Crivella à TV Globo, desta vez, num tom mais elevado. O problema é que claramente não ocorreu o que o prefeito diz no vídeo.

Fonte UOL
newest oldest most voted
Notify of
Palmira Belloni Magalhães
Visitante
Palmira Belloni Magalhães

Coloca bem explicado no Fantástico, tenho certeza que Tadeu Smith vai saber fazer com que o povo entenda

Send this to a friend