Como aprender a dizer “não”

É difícil, mas necessário.

Quem gosta de ouvir um “não”?  Eu sei, machuca ouvir isso, mas a nossa reflexão hoje não é sobre as recusas que recebemos, mas sobre as que damos – ou deveríamos dar.

Uma negativa pode nos deixar frustrados, entristecidos e até mesmo magoados. Como não gostamos de nos sentir assim, é compreensível que também não seja nada confortável dizer um “não”. Por isso, muita gente tem problemas para recusar solicitações, como aquele lazer que não estava tão animado para participar; a tarefa que sobrecarregaria demais; o pedido de favor que prejudica demasiadamente, por exemplo.

Quando ficamos preocupados em agradar sempre, é comum termos dificuldade de negar pedidos, mas não é nada saudável para nós – em especial para nosso emocional – querer fazer todos os outros felizes sempre e esquecermos de nós mesmos.  Assim, nos tornamos alvos fáceis para pessoas que abusam de nossa boa vontade e que nos fazem ceder aos seus caprichos, o que também é frustrante demais, não é mesmo?

Claro que não vamos negar sempre e fazer só o que queremos, mas não é nada egoísta abrir mão de certos convites ou pedidos de vez em quando. É preciso ter equilíbrio nesses momentos. Nem demais, nem de menos.

 

Os Três “Nãos”

Certa vez aprendi que há três tipos de recusa que precisamos aprender a usar corretamente:

– Não consigo: perceber que não temos capacidade ou habilidade para fazer algo exige maturidade. É importante reconhecer isso e dizer “não” nesses casos. Em alguns momentos, podemos até aceitar o pedido, mas solicitando uma ajuda ou um treinamento, de forma que nos tornemos hábeis para realizar a tarefa;

– Não posso: pode acontecer de termos capacidade para fazer o que nos pedem, mas por outros motivos não podermos realizar. Nessa hora, é preciso deixar claro que não há essa possibilidade;

– Não quero: talvez esse seja o mais difícil de todos. Quando podemos, conseguimos, mas não queremos fazer algo, é mais difícil admitir. Viver em prol da vontade dos outros pode ser muito prejudicial para nossa autoestima. Não que vivamos realizando somente o nosso querer, mas em alguns momentos, devemos, sim, recusar convites que não quisermos.

 

Como começar a dizer “não”

Pode ser que você me pergunte: “ok, entendi que é importante recusar de vez em quando, mas como posso começar a praticar isso para que se torne mais fácil para mim”?

Um bom jeito é começar a recusa agradecendo:

– Obrigada pelo convite, mas não vou querer dessa vez.

– Fico lisonjeado com a proposta, mas por enquanto, não tenho interesse em participar.

– Agradeço por pensar em mim para realizar o projeto, mas não consigo executá-lo sem treinamento adequado.

Algumas pessoas vão insistir para que você aceite. Nessas horas, é preciso ser firme com sua posição. Se você tem dificuldade de dizer “não” aos outros, a repetição do pedido pode te gerar um desconforto enorme, mas não se preocupe em justificar se o pedinte não merece essa justificativa. Se você disse o “não” e ele é importante para você, mantenha-o.

Para cada “não” que você diz, abre-se um leque de outras opções que você pode escolher fazer em substituição àquela atividade. Deixou de sair com um amigo, mas ganhou tempo para descansar; Recusou a tarefa, e agora pode estudar mais; Não foi à festa, poderá trabalhar melhor no dia seguinte. Dizer “não” quando é preciso, abre oportunidade para um “sim” melhor.

Não é uma situação fácil, tampouco confortável para muita gente, mas posteriormente a sua satisfação, consigo mesmo, vai compensar tudo isso. Nada paga a sua paz.

Reflita, pratique e depois me conte como foi a experiência. Se você conhece alguém que precisa receber essas dicas, compartilhe. Você pode fazer uma diferença enorme na vida dessa pessoa.

Boa semana!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Send this to a friend