Fila da saúde da Prefeitura do Rio mais que triplicou desde que Crivella assumiu

Vinte mil pacientes aguardam atendimento com oftalmologista. 8,8 mil pessoas esperam por cirurgia de catarata.

A fila de espera por uma cirurgia ou exame no Sisreg, o sistema de regulação da Prefeitura do Rio, é de mais de 421 mil pessoas atualmente. Em 2017, a fila era de mais de 132 mil pacientes. Em 2018, eram 214 mil cidadãos aguardando. Os dados foram obtidos com exclusividade pelo RJ1.

A fila para uma cirurgia de catarata, por exemplo, é de mais de 8,8 mil pessoas. Alguns pedidos foram feitos em abril. Para uma consulta com um oftalmologista, são mais de 20 mil pacientes. A dona de casa Maria Solange de Oliveira perdeu a independência e precisa da filha para tudo.

“Não enxergo nada, não posso sair na rua sozinha. Já caí, já levei tombo, andava de bicicleta. Agora não posso mais nem andar de bicicleta. Um desespero.”, explicou a paciente, que só enxerga vultos.

Os familiares buscaram ajuda há mais de um ano em uma Clínica da Família, em Campo Grande, na Zona Oeste da cidade.

A dona de casa Maria Solange (de amarelo) perdeu a independência por causa de um problema na visão — Foto: Reprodução/ TV Globo

“Ela pediu à médica para encaminhar para um médico de visão, para um oftalmologista. E a médica garantiu que ia encaminhar, mas não encaminhou”, ressaltou Marluce Oliveira, filha de Maria Solange.

Ela só conseguiu a inclusão do nome após reclamar na ouvidoria. Mesmo assim, ela ainda não foi atendida. “Quando faltava 17 dias, retrocedeu. Foi para setenta e um”, explicou a filha.

Emergências sem atendimento

Na lista do Sisreg, são mais de 7,4 mil pessoas na fila por uma consulta com um urologista. Alguns esperam desde o fim de 2016. Muitos são casos de emergência que não foram atendidos.

As filas para cirurgias de vesícula, cirurgia pediátrica e de hérnia também cresceram muito nos últimos anos.

Por causa de uma hérnia, Ilza Pereira Silva não consegue mais levar uma vida normal. “Ela me incomoda, ela dói, eu não posso trabalhar por causa da hérnia porque ela fica doendo, fico tomando remédio para poder parar a dor, não posso viver assim. E é essa situação que eu peço que eles tenham misericórdia”.

A espera por exames simples também é grande. Em 2017, quatro mil pacientes aguardavam por uma endoscopia. Atualmente são 14 mil. No aguardo por uma laqueadura, eram três mil pacientes e agora seis mil.

Pacientes não conseguem entrar na fila

Os pacientes que estão na fila do Sisreg conseguiram atendimento médico e foram encaminhados por médicos. Mas em 14 Clínicas da Família do Centro, os cidadãos não conseguem atendimento por causa da troca da organização social (OS) que as administra.

A OS afirma que ainda não conseguiu contratar o número de médicos necessários para fazer o pleno atendimento.

Pacientes da Zona Norte do Rio, por sua vez, também não conseguem fazer a marcação de exames e consultas, pois os computadores estão sem internet.

Consultas com urologista foram pedidas em 2016 pelo Sisreg — Foto: Reprodução/ TV Globo

Prefeitura diz que fez mais de 30 mil cirurgias

A Prefeitura do Rio afirmou que, todos os dias, novos pacientes entram na fila e 67% dos pacientes foram inseridos na fila este ano. O poder municipal afirmou que, em cinco mutirões, fez mais de 30 mil cirurgias.

Estes mutirões incluíram cirurgias de hérnia, vesícula e cirurgias pediátricas. E que no mutirão da catarata foram 20 mil operações. A Prefeitura do Rio afirmou ainda que, este ano, realizou mais nove mil cirurgias de catarata.

A prefeitura destacou que aumentou o número de cirurgias em toda a rede de 89 mil, em 2016, para 104 mil no ano passado.

Com informações G1 RIO

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Send this to a friend